Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Louco por motos

Foto premiada

por Mário Sérgio Figueredo, em 03.01.09

Não sou um grande fotógrafo mas "dou minhas cacetadas".

 

Sempre fui um profundo admirador de fotos bem tiradas, por quem sabe o que está fazendo, aquelas com um fundo artístico. Tirar uma boa foto não é apenas apertar o botão, tem que ter o dom de saber escolher o motivo, enquadrar o objeto, certificar-se que as condições de luz são ideais, esperar o momento certo e registrar o momento para a posteridade.

 

Na minha tentativa de gostar da arte, cheguei até a comprar um equipamento sofisticado da Yashica, com teleobjetiva, grade angular, filtros, motor-drive, etc, mas como minha mulher não se adaptou ao equipamento, acabei vendendo tudo e comprando uma simples e eficiente Olimpus Trip 35, máquina fotográfica de fácil manuseio, que oferecia fotos com qualidade impressionante e de funcionamento quase automático alimentado por uma célula foto-elétrica. Tenho ela até hoje guardada e a uso quando preciso de alguma foto de qualidade superior às digitais.

 

Com o advento da foto digital, todo mundo virou fotógrafo. Tirar fotos virou uma coisa banal. Uma simples festinha de aniversário resulta em mais de 300 fotos que ficam perdidas e esquecidas num CD guardado em alguma gaveta - acho que essa facilidade quebrou um pouco do encanto da arte. Pior é quando se faz uma visita a algum parente e ele faz questão de te mostrar as 543 fotos tiradas no churrasco do último final de semana.

 

Numa determinada fase da minha vida profissional recebi a incumbência de administrar a página paranaense de uma intranet de dimensão nacional e tive que virar fotógrafo e repórter "na marra", porque precisava angariar matérias para publicação na nossa página.

 

Como inspecionava prédios localizados no meio do mato (literalmente), passei a fotografar a natureza, imagens que tinha o privilégio de ver ao vivo e a cores, e publicá-las na intranet, levando o trabalho de campo da empresa até àqueles que ficavam confinados nos escritórios das grandes cidades. Foi um trabalho gratificante que me rendeu inúmeros e-mails de elogio de colegas do Brasil inteiro e ganhei fiéis leitores.

 

Num concurso de fotos, inscrevi uma das que publiquei e esta acabou sendo premiada com o primeiro lugar, o que me deixou ainda mais orgulhoso do trabalho que vinha fazendo, apesar de ser um concurso sem expressão alguma.

 

Para quem se considerava um fotógrafo medíocre, acho que foi uma grande surpresa tal prêmio.

 

Veja a foto abaixo:

 


Título: POMBOS

Equipamento: SONY MAVIKA 1 mpx
clique na foto para ampliar