Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Louco por motos

Yamaha RD 350, a "viúva negra"

por Mário Sérgio Figueredo, em 23.04.09

 

 
RD 350, uma moto de respeito!

 

Falar da Yamaha RD 350 é quase uma redundância, porque não houve motocicleta tão reverenciada, tão divulgada e tão amada pelos seus fãs quanto ela, mas não poderia deixar de citar esse ícone da história das motocicletas na sequência de motos maravilhosas que venho publicando aqui no blog.

 

Então vamos lá, solte suas lembranças e vamos percorrer esse delicioso passeio pela história.

 

A RD-350 foi uma evolução dos modelos DS7 e R5 fabricadas pela Yamaha de 1970 a 1972. Resultante da união tecnológica dessas duas máquinas, foi possível o lançamento da linha RD, em 1973, com os modelos 90cc, 135cc, 200cc, 250cc e 350cc, todas refrigeradas a ar.

 


Linda, para os padrões de 1973.
O espelho retrovisor do lado direito era opcional

 

De 1973 a 1975 foi fabricado o modelo RD 350A e nos anos 1976 e 1977 o modelo DR 350B, que foi descontinuado em 1978 com a chegada da RD 400, que foi produzida de 1976 a 1979.

 


Outro modelo de 1973, com diferenças no grafismo.

 

Em 1980 a Yamaha, pressionada pela simpatia que esta despertava em seu público,  volta a fabricar as 350 cc. Sendo assim, em 1980 era lançada a RD350LC (sem o YPVS), com potência de 45 CV a 8.500 rpm, monoamortecimento central e refrigeração líquida.

 

Em 1982 a RD 350 ganharia o famoso sistema YPVS (Yamaha Power Valve System) e suspensão traseira monocross. A Yamaha RD 350 foi a primeira moto 2T a utilizar o sistema YPVS, que não é um sistema turbo como muitos pensam e consiste apenas em uma pequena válvula controlada por um microprocessador. Essa válvula localiza-se na saída de escape do cilindro, e varia sua abertura para dar maior compressão em baixas rotações, minimizando uma das características dos motores 2T, que é a falta de torque em baixas rotações. Conforme aumenta o giro do motor, essa válvula se abre progressivamente a partir de 5.500 rpm até 9.000 rpm, quando ela está totalmente aberta e a RD vira um "canhão". Esse sistema acabou sendo implantado pelas demais marcas, porém com nomes diferentes, e algumas sutis alterações.

 


YPVS, pequeno sistema que faz toda a diferença.

 

Também foi a moto pioneira no mundo no uso do quadro de berço-duplo e suspensão traseira mono-amortecida de série. Seu quadro foi o precursor dos famosos quadros DeltaBox de alumínio desenvolvidos pela Yamaha, e posteriormente utilizados pelas demais marcas. Vinha equipada com 3 freios à disco, e rodas de alumínio.

 

Em 1986 passa a ser produzida no Brasil com novo visual e carenagem semi-integral e já em 1987, uma decisão da Yamaha centraliza a produção das RD 350 em nosso país, sendo exportada para o resto do mundo e descontinuada no Japão. Assim, no ano de 1988, ela ganha carenagem integral, discos de freios vazados, suspensão dianteira Showa e um novo nome, RD 350R, adequando-se ao exigente mercado externo.

 


RD 350R, made in Brazil.

 

Em 1991 recebeu sua última remodelagem, passando a contar com carenagem totalmente fechada no estilo da CBR 600 e Suzuki RGV, ganhando novos faróis duplos, seguindo o mesmo padrão de estilo das FZR.

 

Teve sua produção encerrada para o mercado brasileiro em 1993, sendo que seus últimos modelos foram vendidos até o final daquele ano. Ainda assim, foram produzidas para o mercado italiano, alemão e espanhol até o ano de 1995, quando infelizmente, por pressão das severas leis de emissões de poluentes na atmosfera, saíram totalmente de produção, deixando uma enorme legião de fãs e adoradores órfãos por todos os cantos do planeta.

 

A RD 350, seja qual for o ano, sempre foi cercada de muitas lendas e histórias, muitas delas infelizmente a depreciavam, como foi o caso do apelido "Viúva Negra". Este apelido se deve à grande ineficiência dos freios das RD´s 250/350 anos 70, que povoavam as ruas brasileiras, importadas entre 73 e 76. Seus enormes freios a tambor e posteriormente disco simples na dianteira eram ineficientes para frear uma moto que atingia com extrema facilidade, velocidades de 180 km/h. Não diferente também o fato dessas motos entregarem toda a sua potência quando o motor atingia seus 5000 / 6000 giros. Isto tinha um efeito devastador sobre a grande maioria dos pilotos inexperientes da época, que não usavam nenhum equipamento de segurança, principalmente o capacete cujo uso não era obrigatório naquele tempo. Mesmo assim as RD 350LC, apesar da grande evolução do seu sistema de freios e utilização de pneus com melhor aderência, herdaram o apelido.

 

Seu motor 2T produzia 55cv e sua velocidade máxima era de 199 km/h. Sua aceleração de 0 a 100 km/h era de 6 s, e seu consumo médio na cidade ficava entre 12 e 14 km/l.

 

Extremamente veloz, sua principal concorrente no Brasil era a Honda CB 750. Não raramente aconteciam disputas para ver quem era a mais rápida, disputas essas sempre apertadas, não dando muita margem nem para RD 350, nem para CB 750 se julgar absoluta sobre a outra. Porém, dada a facilidade do motor 2T em se extrair potência, as RD 350 "envenenadas" acabavam por vencer a grande maioria das disputas.

 


Há alguns meses um talentoso designer italiano alvoroçou os saudosistas da RD 350 ao divulgar esta imagem como um possível lançamento da Yamaha em 2009.
Pena que não era verdade!

 

Enfim, é inegável que esta foi a mais esportiva das motos de série já produzidas. Não obstante isso, podemos deixar de chamar a RD 350 de moto para citá-la simplesmente como MITO!

 

 

- Lembre-se que clicando nas fotos você as verá em tamanho maior. 

- Obrigado ao Wikipédia que foi fonte preciosa de consulta na elaboração dessa matéria.

13 comentários

Comentar post