Aqui falamos de tudo, inclusive de motos. Entre e sinta-se à vontade para criticar, elogiar, complementar e contribuir. Seja bem-vindo
Quinta-feira, 1 de Abril de 2010
Ponte de safena - visão do operado.

Neste mês de março de 2010, passei por uma experiência no mínimo inusitada, a instalação de duas pontes de safena no meu coração, procedimento totalmente custeado pelo SUS (Sistema Único de Saúde).

  

Antes de fazer a cirurgia busquei na internet algum relato feito por pacientes de procedimentos semelhantes, mostrando seus medos, suas dores e angústias.  Resultado: não encontrei nada que mostrasse a visão do operado. Daí a decisão de fazer este relato que será a minha contribuição para futuros “candidatos” a esse tipo de cirurgia, onde abordarei nos mínimos detalhes os dez primeiros dias pós operação. Vamos lá:

 

No processo de recuperação pude também perceber que poucas pessoas sabem exatamente o que é uma operação de ponte de safena ou para que serve, por esse motivo farei uma rápida explanação inicial para explicar:

 

A função do coração, como sabemos, é bombear o sangue até as partes mais extremas do nosso corpo, garantindo alimentação e oxigenação a todas as células, mesmo as mais longínquas. Esse bombeamento ocorrre com a contração dos músculos do coração. Para que esses músculos tenham força suficiente para bombear o sangue, o coração se auto-irriga através de vasos sanguíneos de grosso calibre. Pois bem, quando algum desses vasos responsáveis pela auto-irrigação dos músculos do coração apresenta algum problema, a medicina moderna achou uma solução, que é a de instalar uma outra veia que faz uma ponte externa no coração, garantindo que os músculos afetados voltem a ser irrigados por sangue. Normalmente a veia mais utilizada nessas pontes é a safena, que temos uma em cada perna.

 

 

Primeiro dia

 

Acompanhado de minha esposa, apresentei ao hospital para internamento, no dia 22/03/2010 às 08:00 horas, sendo imediatamente encaminhado para uma enfermaria com 5 leitos (apenas 3 ocupados, contando comigo), móveis novos e de ótima qualidade, ótima higiene, banheiro espaçoso, farta iluminação e ventilação excelente.

 

Por volta das 10:00 horas começei a participar dos procedimentos preparatórios para a cirurgia que estava prevista para a manhã do dia seguinte. A primeira visita foi da enfermeira do banco de sangue, que retirou uma amostra de sangue para preparar bolsas de sangue que seriam utilizadas numa possível transfusão. Primeira picada na veia.

 

Não se passaram 10 minutos e vem outra enfermeira fazer nova coleta de sangue para alguns exames solicitados pelo médico. Outra picada na veia.

 

Meia hora depois aparece mais uma enfermeira para instalação/fixação de ponto de acesso venoso, recurso que visa facilitar a aplicação de remédios diretos na veia – para evitar a necessidade de de inúmeras novas picadas na veia, instala-se uma agulha de acesso em uma das veias periféricas do braço ou da mão, ficando lá por até 4 dias quando deverá ser substituida por outra agulha em outra veia – terceira picada em menos de uma hora.

 

Mais tarde fui levado para fazer exames de ultrassom nas veias safena de ambas as pernas e em algumas veias do pescoço.

 

Nada mais ocorreu de importante no primeiro dia, exceto a aplicação de um monte de medicamentos no ponto de acesso previamente instalado no meu braço.

 

Segundo dia

 

Às 07:30 horas entra no quarto um enfermeiro com a maca que seria utilizada para me transportar até o centro cirúrgico. Nesse momento eu já havia tomado meu banho e vestido uma camisola típica de hospitais, totalmente nu por baixo.

 

Deitei-me na maca e fui conduzido por vários corredores até chegar à porta do centro cirúrgico onde me despedi da minha esposa com um beijo e ela me desejando boa sorte.

 

Já sendo conduzido dentro do centro cirúrgico passei em frente a inúmeras sala de cirurgia, entrando numa delas onde já me esperavam o médico anestesista e duas enfermeiras encarregadas de me preparar para o procedimento. Fui transferido da maca para a mesa de cirurgia e em menos de cinco minutos já estava recebendo através do acesso no meu braço algum tipo de anestésico que me fez apagar e não ver mais nada.

 

Quando acordei, ainda estava dopado e sem entender muito o que estava acontecendo e aos poucos fui tomando consciência do que tinha acontecido e de onde eu estava. Estava na UTI cardíaca, sala fortemente iluminada e escutava ao fundo a conversa dos enfermeiros e os bipes dos equipamentos de monitoração dos sinais vitais – iguais àqueles que a gente vê nos filmes e novelas.

 

Não sentia dores, apenas algum desconforto pelas incisões decorrentes da cirurgia, um grande curativo na perna esquerda e outro no peito em toda a extensão do osso esterno. Além desses ainda tinha uma sonda instalada na uretra, outra no abdome, um novo ponto de acesso no braço (esse era arterial, mais profundo e dolorido) e um último ponto de acesso instalado na veia jugular do lado direito do pescoço.

 

Perguntei as horas, 16:30, ou seja, estava “apagado” há mais de 8 horas.

 

Aquele resto de dia e a noite passei na UTI, sendo acompanhado por um grupo de enfermeiros muito atenciosos e prestativos e em momento algum senti qualquer tipo de dor que merecesse registro.

 

Terceiro dia

 

Não posso dizer que acordei porque dentro da UTI somos mantidos sedados e por esse motivo mais dormimos que ficamos lúcidos, daí o dia passa rapidinho. A rotina do dia foi só a de dormir, ser medicado e receber visitas da minha esposa e filha no início da noite.

 

Quarto dia

 

Por algum motivo o ponto de acesso que eu tinha no braço se perdeu e como o médico solicitou novo exame de sangue arterial que tinha que ser feito através da coleta de alguma artéria mandaram um enfermeiro incumbido dessa tarefa. Vejam que eu falei coleta de uma artéria; diferente das veias periféricas que são superficiais à pele e quase indolores, as veias arteriais são profundas e a picada extremamente dolorosa.

 

O sujeito começou a me picar em diversos lugares do braço e não conseguia achar a tal da veia; já tinha me picado dolorosamente mais de 8 vezes e nada, quando finalmente desistiu e solicitou um substituto. Veio outro que depois de me provocar fortes dores em mais de 6 tentativas, teve o mesmo fracasso. Nesse momento espernei e me recusei a continuar sendo submetido a tal tortura.

 

Vieram algumas pessoas conversar comigo, uma delas supervisor do laboratório e este conseguiu me convencer a mais uma tentativa. Para isso mandaram um terceiro coletor, um rapaz novo mas pelo jeito muito experiente, tanto que na primeira tentativa conseguiu cumprir a missão, minimizando meu sofrimento. Que alívio!

 

Logo no início da tarde recebi a visita do meu médico que providenciou a retirada da sonda uretral e o acesso à veia jugular (caraca meu, dentro da jugular tinha um tubo de uns 15 centímetros, mas nenhum desses procedimentos provocou dor, apenas desconforto). Depois disso fui transferido da UTI para a enfermaria, onde seria dado sequência ao processo de recuperação.

 

Quinto, sexto e sétimo dias

 

Nada de especial aconteceu, além de receber alimentação, medicação e troca de curativos. No sexto dia já fui auxiliado a sair da cama e sentar numa poltrona especial. No sétimo dia já andava sem auxílio pelos corredores do hospital, fazendo exercícios para ativar a circulação do sangue nas pernas. Nesse dia meu médico retirou a sonda abdominal, pedaço de borracha que saia por um orifício na pele da minha barriga.

 

Aqui abro um parênteses especial para falar das feridas as quais apenas vi quando foi feito o primeiro curativo. A primeira visão delas causa algum impacto, decorrente do tamanho e aspecto das mesmas mas depois desse choque inicial (e a ausência de dor) vemos que apesar de impressionantes, as feridas não são tão importantes assim.

 

- Na perna esquerda  uma linha de corte coberta de pontos com fios de nylon, que começa na metade da coxa e vai até o tornozelo do pé esquerdo. Dessa linha de corte foi retirada a veia safena utilizada no coração.

 

- No peito, uma grande incisão em toda a extensão do osso esterno. Aqui não há pontos externos pois o osso serrado é fixado um pedaço no outro através de fios de aço internos e a sutura do corte da pele ocorre com algum adesivo especial para essa finalidade, eliminando os tradicionais pontos em costura. 

 

Oitavo dia

 

Que alegria, dia de ir para casa, onde ficarei em repouso por pelo menos 60 dias, até que haja o início de solidificação do osso esterno.

 

Vejam que em momento nenhum falei dos detalhes técnicos da cirurgia, relatando apenas aqueles que presenciei quando estava acordado.  Sei que fui submetido a um monte de procedimentos tais como a incisão para retirada da safena, o corte do osso esterno e a instalação das duas pontes, mas desses nada poderei falar porque estava “ausente” e a nossa proposta aqui é falar da visão do operado.

 

Abaixo fotos da minha perna esquerda e tórax após cirurgia.

 

No lado esquerdo da foto a grande incisão para
retirada da veia safena e no lado direito a cicatriz
sobre o osso esterno.

 

A grande mensagem que deixo a todos que aqui buscam algum conforto, é a de que em momento algum tive dores decorrentes do procedimento cirúrgico (somente algumas espetadas de agulha e a retirada da sonda uretral merecem um singelo registro). Portanto se o seu destino é passar por procedimento semelhante, vá em frente amigo e tenha certeza de que exceto algum contratempo, não haverá sofrimento.

 

Até este momento está indo tudo bem, a cicatrização das feridas ocorre com rapidez e amanhã (10º dia) está prevista a retirada dos pontos.

 

 

Agradecimentos:

 

- Ao SUS, alvo de tantas criticas, mas que para mim foi excelente.

- Ao Hospital São Vicente de Curitiba-Pr.

- Ao Dr. Roberto Gomes de Carvalho

- Ao Dr. Carlos E. de A. Castilho

- Ao Dr. Rêmulo J. Rauen Jr 

- Á equipe de enfermeiros do Posto 3 do Hospital São Vicente onde fui tratado com carinho e consideração, essenciais a qualquer pessoa convalescente. Vocês todos foram maravilhosos, jamais os esquecerei.  

 

 



publicado por Mário Sérgio às 13:53
link do post | comentar | favorito

180 comentários:
De André Coelho a 1 de Abril de 2010 às 17:01
Agora vc é um biônico!!!!

Um grande abraço e melhoras!!!!


De Nívea a 1 de Abril de 2010 às 17:05
Coincidentemente em março passado meu pai passou pela mesma cirurgia, no caso dele precisou de 3 pontes e foi feita de emergência após um infarto. Não sei por qual motivo vc precisou mas vc, sabendo qual é, tome mais cuidado a partir de agora, depois dessa chance que teve. Meu pai ta normal mas diferentemente de vc teve dificuldade no início pois teve pneumonia hospitalar e tossir com o tórax recém aberto não é nada agradável rs. Melhoras e que não precise mais passar por isso.

OBS: há vários errinhos de localização anatômica etc que é normal quem não conhece confundir, mas já que citou tantas vezes, osso esterno é com S, X é pra um local externo


De carlos CC a 1 de Abril de 2010 às 17:50
eita, mário biônico na ativa novamente, que bom cara que ocorreu tudo tranquilo, melhoras


De Ozzy Renato a 2 de Abril de 2010 às 06:44
Meu amigo, vc é mesmo um vencedor! É preciso muita coragem, e pelo visto, vc tirou de letra a situação. Tenho certeza que o seu depoimento é muito importante numa situação de angústia, onde a busca por informações pode ser a diferença entre encarar a cirurgia ou não.
Eu fico aqui no desejo que vc continue se recuperando e que logo possa estar na sua moto....posso imaginar a vontade que vc deve estar sentindo de pilotar.

No que eu puder ajudar estou a sua disposição.

Um forte abraxx


De NARA REJANE DA SILVEIRA a 11 de Abril de 2010 às 23:12
Oi Mário, meu espôso também fez ponte de safena. O corte do peito está bom, mas o da perna está demorando para melhorar. A sua perna também ainda está incomodando ou está cicatrizada, apesar que a cirurgia de meu marido foi dia 24 de Fevereiro de 2010.
Já estou ficando nervosa com esta demora de cicatrização.
Aguardo sua resposta.


De Mário Sérgio a 12 de Abril de 2010 às 02:06
A Nara foi contactada e respondida por e-mail


De Fabio Ricardo a 11 de Maio de 2010 às 19:27
Obrigado pelo Seu blog, estive procurando sobre esse assunto ja a alguns dias, mas hj graças a você encontrei, meu sogro tem 61 anos e amanha dia 12/05 ele fará uma cirugia de 5 safenas e uma mamaria, agora com esse seu relato posso mostrar para a minha esposa td descrito aqui para ela e para a familia ter um pouco de paz, muito obrigado amigo!!!!


De FAbio Ricardo a 11 de Maio de 2010 às 19:32
Te agradeço por tudo novamente, e boas melhoras..
Deus te Abençoe.


De michelle a 17 de Maio de 2010 às 20:25
gostei muito do seu (diario) me ajudou a entender oq meu pai vai fazer, confesso q estou com muito medo ainda. mais mais confiante. vc me ajudou muito. Ele vai fazer 5 pontes na proxima sexta feira, mais ele tem agravantes ( diabetes, pressao alta, bebe e fuma ) estamos confiantes mais com medo. esta entregue nas maos de Deus, seja feito tudo segundo a vontade Dele.


De Mário Sérgio a 31 de Maio de 2010 às 14:31
Fábio e Michele

A intenção desta publicação foi justamente esta, mostrar a quem vai se submeter a esse tipo de cirurgia que não se trata de um bicho de sete cabeças, trata-se de um procedimento, apesar de extremamente invasivo, fácil de superar.

Eu é que fico feliz em poder ajudar a quem vai ter que passar por este momento difícil da vida; entrar numa aventura dessas sem informação é muito assustador.

Abraços e boa sorte ao pai de vocês.

Mário



De matheus-adryan@hotmail.com a 16 de Junho de 2010 às 16:39
obrigado, Mario Sergio.
o meu pai fez a cirugia, ta muito bem, de acordo com os medicos sua recuperaçao foi otima, tanto que ele fez a cirurgia , numa terça feira, ficou no CTI por 2 dias, na sexta ele subiu pro quarto ja estava andando, comendo fazendo tudo q possivel sozinho. no domingo ja estava de alta. ficou menos tempo do que previsto pelos medicos, Graças a Deus.
Agora ele esta bem, sse recuperando, indo no medico 2 vezes no mes. Obrigado pelas palavras me ajudaram muito . tudo de bom a voce e que Deus te abençoe hoje e sempre.


De Ernedan Almeida a 24 de Setembro de 2012 às 15:36
Foi de uma importância muito grande o seu comentário meu pai esta no Hospital e vai fazer essa cirurgia Quarta - Feira agora dia 26 ,mais não sei o horario e ele esta com muito medo, mas estamos todos ao seu lado dando muita força a idade dele é de 67 anos .desde já agradeço seu comentario..


De Rosalia a 28 de Setembro de 2012 às 00:12
Meu esposo fez a cirurgia com 4 safenas e 1 mamária, veio ontem para casa e ainda tosse muito para expelir secreções (que não tinha antes da cirurgia) A dor que sente (mais incomodo que dor) é na perna direita de onde tirou a safena.
Quando tosse abraça um travesseiro para proteger de sentir descoforto ou dor.
Graças aos médicos maravilhosos do Hospital Salvalus-SP.Dr . Domingos Spina Neto, Andréa de Souza Nogueira e equipe ele está se recuperando, mãos abençoadas!

Boa sorte a todos, e obrigada por esta oportunidade de me expressar.

Rosalia


De Nelson da Silva Paulo a 21 de Junho de 2010 às 03:13
oi amigos sou o nelson tenho 46 anos, a oito meses fiz 4 pontes de safena ,fiquei
6 dias internado e 1 dia na uti não tive tantos problemas pois a recuperaçaõ foi rapida,com dois meses
e meio já estava trabalhando,subindo e descendo escadas,me sentia bem, agora depois de oito meses
sinto algumas pontadas no peito e não sei se isso é normal,me sinto nervoso mais do que o normal e muito estressado,voltei a fumar não como antes bem menos,tomei umas cervejas,mas não estou me sentindo muito bem,estou aguardando para voltar ao
médico e ver o que devo fazer,pois da da ultima vez que eu fui estava com o colesterol alto, mas o medico receitou um remedio que custa 200,00 ,e pra variar sou hipertenso tambem,eu trabalho com pintura de fachada subo e desço escadas e as vezes ttenho que pegar peso,mas tenho que trabalhar né,queria saber se as pessoas que fizeram ponte de safena se sentem como eu,e se tem um periodo de adaptação para não sentir mais nada,ha eu fiz a cirurgia no hospital beneficiencia portuguesa.


De Mário Sérgio a 13 de Julho de 2010 às 03:06
Caro Nelson

Dê tempo ao tempo que no final tudo se resolverá e você certamente voltará à vida e atividades normais.

Abraços


De MARIA DE FATIMA OLIVEIRA CHAVES a 30 de Dezembro de 2011 às 18:45
Oi Nelson, Feliz ano novo para todos! Assim como vc, tambem gostei da ideia do Mario em relatar suas experiencias. No inicio do ano de 2010, ao fazer uma avaliação cardiológica fui direto pra UTI de um hospital e em seguid afoi submetida a revascularização do miocardio (pontes de safe e mamaria) e um aneurismectomia do ventriculo esquerdo. Para mim, a experiencia foi de muita fé em Deus pois ele me ajudou a superar inclusive uma atalectasia pulmonar pos cirurgica. Senti muitas dores pq esse tipo de procedimento ao afastar as partes do esterno, também mexe com nossas costelas e coluna. Apesar das dores, o que importa eh a vida. Sugiro que vc controle seu colesterol e quanto ao remedio que custa 200 que deve ser o crestor 20mg, utilize o generico cujo valor que corresponde apenas a 30% .
Abraços
Fatima


De Charles a 8 de Julho de 2010 às 16:40
Sr. Mario , depois de ler vossa intenção, gostaria de agradecer e desejar-lhe da mesma maneira todas as recomendações de energia positiva que senti nas informações prestadas, minha mãe passou por cirurgia recente para colocação de ponte safena , confesso estar muito preocupado, mas seus comentários não apenas servem de conforto, mas tem uma riqueza muito grande, é uma preparação valiosa e na visão do paciente, sou muito grato pela sua colaboração e boa vontade de transmitir as informações, Deus abençoe.


De Mário Sérgio a 13 de Julho de 2010 às 03:05
Olá Charles

Fico feliz que de alguma maneira meu relato tenha servido para aliviar sua aflição acerca da cirurgia da sua mãe.
Que Deus abençoe a todos nós.

Abraços


De maris tonon a 1 de Agosto de 2012 às 23:28
Prezado Sr. Mário,

Minha mãe também fará essa cirurgia nesse mês, em Florianópolis. Ela tem 72 anos e talvez coloque 3ou 4 safenas/mamária. Gostei de ler sua experiência. Obrigada!
Maris Tonon


Comentar post

mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
Julho 2013
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30
31


posts recentes

Estradas Fantásticas: Pas...

Serra do Rio do Rastro, l...

A culpa é do jegue?

Um motociclista na “prisã...

Estradas Fantásticas - Ly...

Sahara, a saga.

Uma professora especial

Estradas fantásticas - Se...

Estradas fantásticas - Pa...

Estradas fantásticas - In...

Estradas fantásticas - Ro...

Estradas fantásticas - Ir...

Estradas fantásticas - Ka...

Definição de saudade

TÉNÉRÉ, a força de um nom...

Scooter, você ainda vai t...

Em cima de cada moto semp...

PELÉ x MARADONA - A etern...

Honda CG 125, o fusca de ...

Ponte de safena - visão d...

A cerimônia de escolha do...

De novo é Natal

O púlpito de rocha

Agora todo mundo é jornal...

Carro ou tanque de guerra...

Prata da casa

Yamaha RD 350, a "viúva n...

Insanidade ou fatalidade ...

Suzuki GT 750 - Uma grand...

Esperto para cachorro

arquivos

Julho 2013

Novembro 2012

Outubro 2012

Julho 2012

Junho 2011

Maio 2011

Abril 2011

Março 2011

Fevereiro 2011

Janeiro 2011

Novembro 2010

Agosto 2010

Julho 2010

Abril 2010

Janeiro 2010

Dezembro 2009

Junho 2009

Abril 2009

Março 2009

Fevereiro 2009

Janeiro 2009

Dezembro 2008

Novembro 2008

Outubro 2008

tags

todas as tags

Fazer olhinhos
blogs SAPO
contador de visitas
contador de visitas