Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Louco por motos

Vida ao ar livre

por Mário Sérgio Figueredo, em 09.10.08

Se existe algo que proporciona a sensação de liberdade com enorme intensidade, esse algo é a motocicleta. Andar de cara pro vento é muito bom pro corpo e pra alma e por isso a moto é o meu hobby preferido, que uso como forma de desestressar e recarregar as baterias.

Ao redor da minha cidade (Curitiba) tem roteiros fantásticos pra se fazer de moto: Estrada da Graciosa, Lapa, Serra do Mar em direção a Joinville, Guaraqueçaba, Rio Negro e São Bento, Ponta Grossa (no caminho tem Vila Velha com as formações de arenito, Furnas, que são buracos no chão feitos por meteoros que cairam na terra - são 50 metros de profundidade até a lâmina d'água e mais 50 metros abaixo dágua, a Lagoa Dourada com suas águas cristalinas e superpopulação de peixes), o Canyon do Quartelá que acho que é o terceiro maior do mundo em extensão, tudo isso rodeado por uma paisagem exuberante.

Mas o que gosto mesmo é chegar no portão da garagem, ver em qual direção está soprando o vento e escolher um rumo qualquer e ir até onde tiver estrada. Sair pela manhã e voltar no final da tarde, sempre com a minha mulher e companheira na garupa.

Nestas andanças sem rumo já passei por lugares que nunca imaginei que existissem, lugares bonitos com cachoeiras, sítios, fazendas, clubes, lugarejos que nem constam no mapa e é muito comum encontrar quermesses. Quermesses são aquelas festas em comunidades do interior onde têm parques de diversão à moda antiga, aqueles com tiro-ao-alvo de espingarda de rolha, chapéu-mexicano, arremesso de argolas e outras brincadeiras do tempo dos nossos pais. O principal dessas quermesses é a comida: churrasco de filé (carré aí em SP), linguiça no pão, maionese caipira, arroz carreteiro, maçã cristalizada, cocadas e outras guloseimas, sempre com preços aceitáveis.

 
Um passeio que realizo com certa frequência, tanto de carro como de moto, começa na BR-116 em direção ao Sul.
 
Após 50 km de estrada tem uma saída à esquerda que vai pra São Bento do Sul-SC e são mais 50 km de curvas e curvas – muito gostoso esse trecho da estrada.
 
Chegando em São Bento do Sul, vira-se à esquerda novamente em direção à BR-376, passando pela Estrada Dona Francisca – no pé da serra tem um restaurante de comida alemã onde tem o melhor marreco assado recheado e carne de porco assada que já comi na vida, a um preço bem camarada.
 
Chegando na BR-376 vira-se à esquerda e vai até Garuva-SC onde pega-se a estrada para Guaratuba-PR, atravessa-se o ferry-boat e segue-se viagem passando por Caiobá e Matinhos que são balneários paranaenses, pegando a estrada Alexandra-Matinhos até sair na BR-277, que liga Paranaguá a Curitiba.
 
Anda-se uns 10 km na BR-277 até encontrar a estrada para Morretes-PR, à direita da BR-277. Nesta estrada seguimos adiante passando por Morretes até encontrarmos a linda, maravilhosa, deslumbrante, centenária Estrada da Graciosa, trecho que deve-se fazer em baixa velocidade e sentidos aguçados para desfrutar do verde exuberante, as floreiras de hortência, os rios e cachoeiras (vale a pena parar pra tomar um banho no Rio Nhundiaquara num lugarejo chamado Porto de Cima).
 
No final da Estrada da Graciosa saímos na BR-116 onde viramos à esquerda e retornamos a Curitiba, encerrando o passeio com aproximados 380 km rodados - vide mapa.
 
Clique na foto para vê-la ampliada
No final do dia, volta-se pra casa com o corpo "podre" de cansado, mas a cabeça leve e preparada para o stresse da próxima semana de trabalho, sem contar as novas amizades que fizemos pelo caminho.

Já se foram 33 anos desde que peguei minha Carteira de Habilitação e muitas foram as motos que tive, de diversos estilos, cilindradas, marcas e modelos. Eu amo as motos e não consigo imaginar viver neste mundo sem elas.

2 comentários

Comentar post