Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Louco por motos

Causos: Ajudando ao próximo I

por Mário Sérgio Figueredo, em 15.10.08

Num sábado à tarde, estava passeando eu com a minha esposa, passando num bairro qualquer, quando numa esquina percebi um aglomerado de pessoas que se mostravam meio apavoradas. Ao passar na rua, próximo ao tumulto, vi que tinha uma pessoa caída.

 

Parei e fui ver o que estava acontecendo.

Logo que cheguei vi uma senhora de uns 55 anos caída no chão, inerte, e ninguém fazendo nada, só olhando. Aproximei-me e ergui suas pálpebras; de cara vi a pupila totalmente dilatada e estática, sinal claro de parada cardíaca. Aproximei meu ouvido da sua boca e constatei que ela também não respirava.

Imediatamente coloquei em prática aquilo que eu havia aprendido nos treinamentos de primeiros socorros que a gente faz nas Spates nas empresas em que a gente trabalha, eventos aos quais sempre dei a maior importância.

Iniciei com massagem cardíaca e, ao ver que no bolo de gente tinha um policial militar, convoquei-o a fazer respiração boca-a-boca.

Iniciamos o procedimento e não demorou nem 2 minutos a senhora começou a respirar sozinha e suas pupilas voltaram ao normal, evidenciando que o coração também tinha retomado suas funções.

Aguardei mais uns 5 minutos e como vi que ela estava se recuperando bem, já assistida por parentes que, avisados, correram para o local e já providenciavam um carro para encaminhá-la a um hospital, montei na minha moto e continuei meu passeio.

Nunca mais a vi ou sequer tive notícias dela, cumpri minha obrigação de cidadão e segui meu caminho.

 

* * * * *

 

Quando aproxima-se a época da SPATEs nas grandes empresas, o pessoal da CIPA começa a movimentar-se para construir a programação da semana, recheando-a de eventos voltados à Segurança do Trabalho, com palestras e principalmente cursos voltados à segurança e primeiros-socorros.

 

Mas é justamente nesse momento que a maioria dos funcionários começa a arquitetar planos de fuga com o objetivo de livrar-se daqueles programas "chatos e enfadonhos".

 

Se eu fizesse parte desse grupo, certamente não teria os conhecimentos necessários para salvar a vida da senhora citada no causo acima.

 

Não quero me vangloriar da minha ação, apenas aquela senhora teve muita sorte d'eu aparecer justamente no momento em que ela mais precisava de alguém que conhecesse o básico de primeiros-socorros.

 

Mas eu deixo aqui uma mensagem para todos: quando aparecer treinamentos de primeiros-socorros na sua empresa, nem espere ser convocado, seja o primeiro a se oferecer porque esse conhecimento pode ser-lhe útil amanhã, para salvar uma vida, e mais ainda, essa vida a ser salva pode estar dentro da sua própria casa, seus filhos, sua esposa, seus pais, etc.

 

 

Você sabe como agir numa situação de engasgamento por comida?

  

No episódio II de "Ajudando ao próximo", vou contar como estes conhecimentos foram decisivos para novamente salvar a vida de outra pessoa, que sofreu engasgamento enquanto almoçava num restaurante.

 
Aguarde!!

 

 

1 comentário

Comentar post