Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Louco por motos

Causos: Ajudando ao próximo II

por Mário Sérgio Figueredo, em 16.10.08

Eu e minha esposa estávamos almoçando no restaurante "O Fornão" aqui de Curitiba, saboreando uma suculenta lazanha à quatro queijos, precedida de pão e massa de pizza torradinha, com beringela ao vinagrete e alho quando no meio da refeição, uma senhora perto de uns 50 anos que estava sentada numa mesa próxima, engasgou-se com um pedaço de pão - sim, basta um pedacinho pequeno de qualquer alimento pra entupir as vias aéreas e provocar o desfalecimento em torno de dois minutos, isso mesmo, DOIS MINUTOS, seguido de morte caso não se consiga a desobstrução imediata das vias respiratórias.

 

A senhora levantou-se em pânico da cadeira e, com as mãos no pescoço, dava sinais que não consguia respirar. As pessoas da mesa demoraram a perceber que o desespero dela era real, situação que exigia ação imediata.

 

Na hora, levantei-me de onde estava e fui até ela, já imaginando o que tinha acontecido, constatando que realmente tratava-se de engasgamento. Tive que segurá-la porque já estava a ponto de desfalecer.

 

Imediatamente coloquei em prática as técnicas de desobstrução de vias respiratórias que havia aprendido naqueles cursinhos de segurança que têm nas Semanas de Prevenção de Acidentes do Trabalho, que alguns acham a coisa mais idiota do mundo.

 

Com a aplicação da técnica o corpo extranho foi expulso da traquéia ou esôfago, liberando a respiração, voltando tudo ao normal em instantes.

 

Ela e o marido agradeceram-me muito a pronta ação que, com certeza, salvou a vida daquela senhora. Claro que o episódio encerrou o almoço deles e eles foram embora em seguida.

 

No final do meu almoço, conversando com a dona do restaurante, perguntei-lhe se tinha alguém lá preparado para dar esse tipo de atendimento emergencial. A resposta foi negativa. Apesar da maioria dos garçons contratados por ela ter feito curso no SENAC, não consta no currículo do curso de garçons ministrado por aquela instituição de ensino, nenhuma técnica para atender esse tipo de emergência tão corriqueira.

 

E a vida continuou, só que eu fiquei mais feliz por ter podido ajudar a alguém, sem esperar nada em troca.

 

Torno público aqui o meu agradecimento ao CORPO DE BOMBEIROS DA CIDADE DE CURITIBA, órgão que me propiciou acesso gratúito a este conhecimento.

 

Portanto, pessoal, volto a lembrar: esse conhecimento pode ser-lhe útil amanhã, para salvar a vida de um ente querido seu. As mães parecem que recebem esse ensinamento do céu pois sabem bem como agir no caso dos bebês engasgarem-se com a mamadeira; uns tapinhas nas costas e volta tudo ao normal. Mas quando trata-se de sólidos a coisa fica mais complicada, porisso aproveito para dar um "cursinho" rápido de DESOBSTRUÇÃO DE VIAS RESPIRATÓRIAS.

 

* * * * *

 

Ao perceber alguém sem poder respirar por engasgamento, aja da seguinte forma:

 

FASE I

Logo no início, com a vítima consciente, ainda em pé.

  • Segure sob o queixo da vítima, mantendo-a curvada para frente, mas com o pescoço o mais ereto possível em relação à coluna cervical;
  • Dê tapas fortes com a mão em "concha" nas suas costas. Bata, observe se a pessoa começou a respirar e repita, se necessário.
  • Faça isso umas 5 vezes; se não der resultado, passe para a fase seguinte.

FASE 2

Fracasso da FASE I, com a vítima ainda em pé 

  • Fique atrás da vítima como se a estivesse a encoxando - não tenha vergonha, o desespero dela será tão grande que ela não vai se importar.
  • Com a sua mão cerrada, punho fechado, encoste o lado do punho em que está o polegar, no umbigo da vítima, deixando o punho na horizontal e com a outra mão, envolva a que está cerrada;
  • Pressione ambas as mãos COM VIOLÊNCIA de encontro ao abdomem da vítima, forçando para cima, como se quizesse enfiar o punho na cavidade toráxica por baixo das costelas.
  • Isso forçará a vítima a expelir bruscamento o ar que resta nos pulmões, expulsando o corpo estranho das vias respiratórias.

Não se preocupe em machucar a pessoa, o que certamente acontecerá. O importante é que ela continue viva.


FASE 3

A vítima já está caida e provavelmente desfalecida.

  • Coloque-a de barriga para cima e você, sentado sobre as pernas dela, de frente para a vítima;
  • Posicione ambas as mãos de punho cerrado, uma ao lado da outra, sobre o umbigo da vítima;
  • Com toda a sua força, pressione BRUSCAMENTE ambas as mãos para baixo, fazendo uma curva em direção à caixa toráxica da vítima, como se quizesse encaixar as duas mãos dentro do tórax, por baixo das costelas.
  • Aguarde uns 5 segundos observando se a vítima volta a respirar. Em caso negativo, repita esta operação, até que ocorra a desobstrução;

Se você não tiver conhecimentos médicos suficientes para uma traqueostomia, não poderá fazer mais nada além disso, e a pessoa certamente morrerá asfixiada.
 

Procedimentos simples e eficientes. No caso que relatei acima, cheguei a utilizar a FASE 2 e, graças a Deus, obtive sucesso.

 

 

1 comentário

Comentar post